Início Multiverse 10 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

10 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

2343
0

As historias da criatividade e a simplicidade das marcas de sucesso mundial são o que as tornaram as mais reconhecidas e memoráveis. Sem complicações, elas comunicam ao público exatamente o que querem transmitir. No entanto, as origens de algumas delas são mais interessantes do que parecem.

1. Pepsi, uma bebida para a indigestão

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

A Pepsi, como muitas outras bebidas carbonatadas, começou a ser vendida como um remédio para a indigestão. O farmacêutico Caleb Bradham preparou o refrigerante em sua farmácia com uma mistura de açúcar, caramelo, água, óleo de limão, noz-de-cola e noz-moscada. O nome original era “Brad’s Drink” ou “A bebida do Brad”, que foi vendida com o slogan: “Estimulante, revigorante, ajuda na digestão”.

Com a popularidade que a bebida começou a ter, Bradham decidiu mudar seu nome para algo mais atraente, inspirado pela palavra dispepsia, o termo médico para indigestão, e na noz-de-cola que fazia parte da receita. O produto acabou sendo chamado de “Pepsi-Cola” e agora essa bebida centenária é uma marca que cresceu sem parar nas mãos de grandes artistas e celebridades.

2. Google, o erro tipográfico

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

Seus fundadores, Larry Page e Sergey Brin, já tinham em mente desde o início na Universidade de Stanford o potencial que sua empresa teria, já que o plano original era chamá-la “googol”, inspirado no número gugol, que é igual a 10 elevado a 100, um número enorme, mas que não chega a ser infinito.

Acidentalmente, Larry Page digitou incorretamente o nome: em vez de “googol”, ele escreveu “google” e a página e a empresa foram registradas com esse “erro” que, na realidade, só serviu para distingui-la das outras e crescer até o que é hoje em dia.

3. McDonald’s, os inventores do fast-food

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

O primeiro McDonald’s abriu em 1948, com um cardápio de poucos itens e processos padronizados que permitiram aos irmãos acelerar o preparo da comida e vendê-la a um preço muito competitivo. Seu sucesso também os levou a renovar a arquitetura do restaurante, criando o primeiro protótipo dos famosos arcos dourados.

Quando os irmãos McDonald compraram de Ray Kroc vários misturadores para milk-shakes, em uma época em que o mercado estava em declínio, o vendedor ficou impressionado com a eficiência do restaurante e teve a ideia de criar franquias em todo o território dos Estados Unidos. Ele se tornou seu agente e, nos anos 60, comprou 100% da empresa.

Os famosos arcos dourados que o identificam sofreram mutações ao longo do tempo, mas são um dos logos mais reconhecidos no planeta, por sua simplicidade e cores vibrantes.

4. Gatorade, uma ajuda para vencer

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

Os pesquisadores descobriram que os jogadores perdiam eletrólitos e carboidratos quando jogavam e não os recuperavam, então desenvolveram uma bebida que equilibraria essas necessidades e a chamaram de Gator-Aid (ajuda para os Gators). O produto provou ser um sucesso entre os Gators e sua popularidade se espalhou por todo o mundo esportivo.

Quando chegou a hora de produzi-lo comercialmente, o nome foi mudado para Gatorade, e seu sucesso só aumentou com o passar dos anos. Hoje a marca se expandiu para algo muito maior do que uma bebida colorida.

5. Rolex, o sussurro do sucesso

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

Depois de combinar todas as letras do alfabeto de mil maneiras e obter uma centena de nomes potenciais, nenhum deles parecia forte o suficiente. Mas um passeio em um bonde puxado a cavalo mudaria o destino de sua empresa recém-fundada, pois um “gênio”, como Wilsdorf chamou, sussurrou a palavra “Rolex” em seu ouvido.

6. IKEA, o enigma escandinavo

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

No entanto, aqueles que não dominam o sueco sempre se perguntaram o que a palavra IKEA significa nessa língua. A resposta? São iniciais combinadas: as do nome do fundador, Ingvar Kamprad, com as da fazenda onde ele cresceu, Elmtaryd, e a cidade do sul da Suécia onde ele se encontrava: Agunnaryd.

Ao contrário da empresa, e como dado curioso, o nome de cada produto tem origem sueca (a grande maioria) e as categorias podem ser encontradas no Dicionário IKEA.

7. Häagen-Dazs, orgulho… dinamarquês?

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

Chamar assim os seus sorvetes cumpria uma dupla função. Mattus queria prestar homenagem à Dinamarca, país que defendeu o povo judeu durante a Segunda Guerra Mundial, por isso usou a ortografia dinamarquesa para batizar sua marca. Além disso, ele queria dar um toque exótico, já que se tratava de um sorvete da mais alta qualidade, por isso tinha certeza que este nome lhe daria um perfil mais diferenciado.

8. Zara, inspiração de filme

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

No entanto, pouco antes da abertura, em 1975, ele percebeu que seu ponto ficava muito perto de um bar chamado de… “Zorba”. Como era muito confuso ter dois estabelecimentos com o mesmo nome em um raio tão pequeno, Ortega pegou os moldes e decidiu adicionar um “a”, tirando as letras “o” e “b”, criando assim uma das marcas espanholas mais reconhecidas no mundo.

9. Amazon.com, um rio de possibilidades

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

Era hora de partir para outra opção, e Bezos também pensou em usar Relentless (implacável) e, de fato, o domínio da web existe e hoje redireciona o usuário para a Amazon.com.

Por fim, o nome Amazon foi o mais adequado, pois “a maior livraria do mundo” seria, a partir de então, chamada como o maior rio do mundo, o Amazonas. Não seria apenas uma livraria online, mas um processo tecnológico que simplificaria as compras eletrônicas e mudaria a história para sempre. Era assim nos anos 90 (veja o logotipo com o rio):

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

10. Starbucks, o marinheiro literário

11 Marcas cujos nomes têm grandes histórias

Os fundadores da Starbucks vieram do mundo acadêmico: Jerry Baldwin e Zev Siegel eram professores de inglês e história e, Gordon Bowker, escritor. Não surpreende, portanto, que a marca tenha adotado uma palavra literária.

Entre os possíveis nomes estavam “Redhook” e o quase vencedor “Cargo House”, mas tudo mudou com uma busca de palavras que começasse com “st”, porque no mundo da publicidade dizia-se que eram poderosos. Alguém conseguiu um mapa antigo mostrando uma pequena cidade de mineração chamada “Starbo”.

O escritor Bowker logo o associou a Starbuck, o primeiro oficial do navio baleeiro Pequod do romance Moby Dick. Eles adicionaram um “s” ao nome e, mais de 40 anos depois, este navio continua navegando nas águas do sucesso comercial.

Conhecias as origens dessas marcas famosas? Que outra história interessante poderia fazer parte dessa lista? Deixe seus comentários e compartilhe essas curiosidades com seus amigos.

Para estar sempre em dia com as novidades do mundo dos games, siga a Eurogames no FacebookInstagram.